Auto de António

Auto de António

Poesia Manuel Alegre

Editora: Dom Quixote
Data:

O mais recente volume poético de Manuel Alegre, Prémio Camões 2017, é inteiramente dedicado a uma figura algo obscura da História de Portugal: D. António, Prior do Crato, um dos candidatos ao trono português durante a crise sucessória de 1580. Segundo António Borges Coelho, D. António “era o rei do povo miúdo e também do povo médio, dos frades e do baixo clero e de jovens fidalgos que o serviram até ao fim”. Em perfeita sintonia Camilo Castelo Branco, no admirável e justíssimo romance histórico O Senhor dos Paços de Ninães, intitula-o também de “rei do povo”. Manuel Alegre evoca um momento de crise profunda da identidade cultural portuguesa, em que a própria língua estava em causa, e elege esta figura esquecida e mal-amada como representante de um “país dentro de um nome”, símbolo de uma “melancolia que é preciso desterrar”. Escreve o poeta: (…) “Só a sós consigo foi António Rei / quase poder quase tudo quase ninguém / como o país que dentro dele se perdeu”. 

47 páginas

Formulário de procura

Lisboa Cidade Triste e Alegre

Livros

O Meu Inimigo Mortal

Romance
Willa Cather

Canto Irregular

Poesia
Fábio Neves Marcelino

Cair para Dentro

Romance
Valério Romão

A Pura Inscrição do Amor

Poesia
Nuno Júdice

A Ciência das Sombras

Poesia
Bernardo Pinto de Almeida

Um Quarto em Atenas

Poesia
Tatiana Faia

Mike Tyson para Principiantes

Poesia

É Agora como Nunca

Poesia
Adriana Calcanhotto

José Espinho – Vida e Obra

Artes

Requiem para o Sonho Americano

Outros
Noam Chomsky

O Velho e o Mar

B.D. Ilustração
Thierry Murat

Da Miséria Simbólica

Ensaios
Bernard Stiegler